Intermodal Digital faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Principais soluções da última milha no varejo brasileiro

Principais soluções da última milha no varejo brasileiro.jpeg
Como se destacar na última milha do varejo? Leia mais!

Você sabe o que é e conhece as soluções da última milha? A última milha, também conhecida como “last mile”, é a última etapa da entrega de um produto — quando a mercadoria sai do centro de distribuição até chegar no destinatário final.

Para explicar um pouco mais sobre as soluções da última milha no varejo brasileiro, entrevistamos um especialista no assunto, o CEO do Grupo MOVE3, Guilherme Juliani. Vamos aprender mais? Continue conosco!

O que é e como funciona a última milha no varejo?

Guilherme Juliani: A última milha se refere a uma etapa que tem um peso enorme na satisfação do cliente e é determinante para garantir bons resultados.

O crescimento do e-commerce, que teve um grande boom durante o ano passado devido à pandemia, trouxe um aumento significativo no número de encomendas enviadas pelas empresas de logística. 

A mudança para o on-line também incentivou o omnichannel, um conceito que se refere à integração entre as lojas físicas e virtuais e à experiência imersiva para o consumidor. 

Hoje, os clientes estão muito mais próximos das empresas, que podem ser contatadas e dialogam com os consumidores por diferentes canais.

Para o varejo, o principal impacto da última milha está exatamente na questão da experiência do consumidor. 

Se o produto chegar com atraso ou com algum defeito causado pelo transporte, isso vai gerar uma reação negativa no cliente. No entanto, quando as encomendas são entregues com agilidade, no prazo (ou antes) e em perfeito estado, é possível que o consumidor retorne ao site para novas compras.

Quais são os desafios da última milha no Brasil?

Guilherme Juliani: Um ponto importante para a última milha e para a logística em geral é, claro, a localização. Estar bem localizado faz toda a diferença na agilidade do transporte. 

No perímetro urbano, coisas que parecem simples podem atrapalhar a operação da última milha, como a dificuldade para estacionar veículos grandes e médios. 

Por isso, estamos buscando soluções, como a implantação de lockers e o uso de bicicletas para a entrega em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

Em zonas rurais, a dificuldade de acesso a certas localidades também é um empecilho para a última milha. Há cidades e locais onde nem mesmo os Correios entregam. Assim, uma forma de driblar essa situação é a instalação de pontos de retirada em locais acessíveis — tanto para os moradores de locais mais afastados quanto para os veículos de transporte.

Vale destacar a importância do uso de dados nessa etapa da entrega. Deixar o consumidor informado sobre status da encomenda, por meio de um código de rastreio e de informações atualizadas, contribui para que ele se planeje para o recebimento (como estar em casa na data marcada para a entrega) e, também, contribui para evitar tentativas frustradas de entrega — que causam prejuízo para a empresa e geram a insatisfação do cliente.

Como se destacar na logística no varejo brasileiro?

Guilherme Juliani: Oferecer outras alternativas de entrega é uma forma interessante para conquistar o cliente. Nem sempre as pessoas preferem ou querem receber as encomendas em casa; por isso, os pontos de retirada e lockers são essenciais. 

A última milha oferece bastante espaço para inovar e testar novas fórmulas que já estão caindo no gosto dos clientes de países como Estados Unidos e Inglaterra. 

Vamos pegar o exemplo dos smart lockers, os quais estão crescendo no Brasil: os armários ficam em locais estratégicos com grande circulação de pessoas (ou seja, são acessíveis ao público) e possibilitam que a transportadora faça apenas uma parada para realizar diversas entregas. 

Esse método é seguro, pois os códigos para abrir o armário são gerados especialmente para o consumidor e garante praticidade para ambos os lados.

Outros pontos fundamentais não dizem respeito à última milha, mas ao processo anterior a essa etapa final de entrega: ter um centro de distribuição eficiente, gestão de estoque e segurança no armazenamento dos produtos é essencial para que se chegue com sucesso à última milha.

Quando uma empresa logística que trabalha com o setor varejista investe em tecnologia, como estamos fazendo ao instalar uma nova esteira e os 200 robôs que adquirimos, ganhamos vantagem competitiva no setor. Afinal, quanto mais ágeis e eficientes os processos, melhor para toda a operação. 

Portanto, vale ressaltar que não basta ter um excelente serviço de última milha se as etapas anteriores não forem seguras, rápidas, eficientes e econômicas.

Quais são as principais soluções da última milha no varejo?

Guilherme Juliani: Os smart lockers funcionam com segurança e praticidade. O modelo ship from store também garante agilidade, com entregas feitas em poucas horas, ainda no dia da compra.  

Cada vez mais as lojas, em especial as grandes redes varejistas, tornam-se pontos de estoque para o e-commerce

Com o item disponível na loja, é só embalar e enviar para o consumidor, que, caso esteja na mesma cidade da loja, poderá receber seu produto em poucas horas. 

Esse método de entrega vem crescendo também no Brasil e ganhando adeptos em todo o país.

Gostou de aprender mais sobre as soluções da última milha no varejo brasileiro? Se sim, inscreva-se no Intermodal Digital Series Tech - Varejo e e-commerce!

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar